Agronegócio

26/07/2017 09:25 Diário de Cuiabá

Pecuaristas aprovam retorno de unidade frigorífica em MT

A reabertura de uma planta frigorífica no Estado deverá ter impacto direto em duas das principais regiões produtoras de carne, nordeste e parte do sudeste mato-grossenses. A unidade do grupo Mafrig Global Food de Nova Xavantina reiniciou as atividades ontem e representa uma alternativa para os pecuaristas das regiões que, há mais de cinco anos, só tinham uma empresa em operação para um rebanho de aproximadamente 5 milhões de bovinos. 

A reabertura de plantas frigoríficas é uma das ações defendidas pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) para a retomada do mercado sustentável no setor. O fechamento de unidades desde a crise econômica de 2008 e consequente concentração da indústria frigorífica prejudicaram o mercado da carne, principalmente para os produtores rurais. 

O representante regional da Acrimat em Vila Rica, Anísio Vilela, explica que a retomada de uma unidade ainda é pouco perto do número de plantas que estão fechadas, mas que já representa um avanço. “Neste momento, a reabertura em Nova Xavantina será positiva para todos nós, mas precisamos que mais indústria voltem a abater para garantir um mercado mais justo”. 

Para Teia Fava, pecuarista e representante da Acrimat em Barra do Garças, esta é uma oportunidade para a atividade, um canal a mais de venda que se abre para o produtor. “Imaginamos que agora vamos ter concorrência, com redução na escala de abate e melhores preços para a arroba. É mais competitividade e opção para o pecuarista. Sem falar no impacto para economia da região com a geração de empregos e renda”, afirma Teia Fava. 

De acordo com o grupo Marfrig, a expectativa é que 900 postos de trabalho, diretos e indiretos, sejam criados com a reabertura da unidade de Nova Xavantina. Ainda segundo a empresa, a retomada das atividades foi em função de haver maior oferta de bovinos para abate, provocada, sobretudo, pelas características atuais desse mercado na região. 

PREÇOS 

O boletim semanal do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) mostra que os preços da arroba não estão em recuperação e registraram o pior índice nos últimos três anos. Segundo levantamento, a cotação do boi gordo à vista atingiu, no dia 19 de julho, o menor valor desde o dia 5 de setembro de 2014, R$ 114,14/@. 

Apesar da desvalorização na arroba, o Imea estima uma possível melhora no segundo semestre, com a redução temporária da alíquota de ICMS em Mato Grosso para abate em outros estados e recuperação na BM&F/Bovespa, que já opera com alta nas cotações futuras do boi gordo. Nesse mês, o governo do Estado assinou decreto que diminuiu a alíquota de 7% para 4%. 

O presidente da Acrimat, Marco Túlio, destacou que os pecuaristas queriam a isenção da alíquota do boi em pé para que se pudessem ter uma maior competitividade e sustentação de preços. “Queríamos menos, mas estamos satisfeitos com esse percentual de 4%. É um número que já vai ajudar muito a nossa categoria e atende uma demanda da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) no intuito de garantir opções de venda para os produtores do Estado”. 


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo