Agronegócio

11/04/2018 13:42 Governo De Mato Grosso

Feira discute conectividade no campo

A falta de conectividade no campo é o tema da ParecisSuperagro, que começou ontem e segue até quinta-feira (12) na cidade de Campo Novo dos Parecis, um dos polos mato-grossense de produção de grãos.  A expectativa de negócios para este ano, 11ª edição da feira, é R$ 180 milhões.  A presidente do Sindicato Rural de Campo Novo dos Parecis, Giovana Velke, explica que as propriedades estão munidas de tecnologia de ponta, porém a falta de internet impede o produtor de usar todos os recursos disponíveis.

Ela esclarece que atualmente as novas colheitadeiras costumam oferecer ao produtor mapas detalhados dos trabalhos, bem como relatórios em tempo real sobre a qualidade da semente plantada, bem como o espaçamento entre elas. Quando não se tem internet, a solução é esperar o fim dos trabalhos e retirar as informações direto da máquina. “Caso haja problemas, a perda para correção é maior”.

Outra questão levantada por ela durante a abertura do evento, que ocorreu ontem, é o impacto da falta de recursos de comunicação na hora de realizar negócios, já que em algumas áreas, sequer tem comunicação via telefone. Vale lembrar que a produção do município é bem representativa. Conforme dados do próprio sindicato, para este ano, a expetativa é chegar a 225 mil toneladas de pipoca, 60 mil toneladas de girassol e ainda 6 mil toneladas de grão-de-bico, que agora entrou no rol dos cultivos em grande escala. Na colheita passada, ele estava restrito a um campo experimental.

O governador Pedro Taques afirma que a gestão está trabalhando para a solução do problema em projetos que andam em parceria com o governo federal. “O governo acredita no poder produtivo da região e sabe da importância da conexão para os empresários rurais. Só que a questão não cabe apenas ao âmbito estadual”.

Conforme o prefeito de Campo Novo, a falta de uma definição sobre a questão dificulta até a cobrança por parte da gestão municipal. “Não conseguimos entender até que ponto o problema está na União ou nas empresas concessionárias do serviço. De qualquer jeito, tentamos sensibilizar as duas partes e eventos como este (SuperAgro) mostram a força dos investimentos da região”.


Grão-de-bico

Ano passado a cidade teve uma lavoura experimental da cultura que apresentou resultados animadores para os agricultores. A planta se mostrou adaptada ao solo e este ano será a primeira produção de grande escala. A presidente do sindicato rural, Giovana Velke, conta que quem optou por investir já está com pré-contrato de venda assinado. O grão vai integrar o rol de produção a região que é diversificado – soja, girassol, milho de pipoca, gergelim, algodão e cana-de-açucar.


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo