Agronegócio

29/05/2018 16:02 AGRO OLHAR

Acrismat denuncia descumprimento de liminar e animais sofrem sem insumos

Apesar da existência de  liminar concedida à  Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat)  para a liberação de caminhões carregados com insumos que compõe a ração animal (farelo de soja e milho) , o serviço continua 'barrado' em razão do protesto dos condutores autônomos, que hoje chega ao 9º dia. No total, até hoje,29, trinta pontos de rodovias federais ainda concentram protestos da categoria. Mais de 20 milhões de suínos sofrem sem alimentação em todo o país.Ainda conforme  a assessoria. até mesmo caminhões carregados com animais vivos continuam parados nas vias. 

Com o descumprimento da liminar, a associação buscou outra forma para a liberação destes caminhões  e em parceria com o Governo do Estado e outras associações criou um selo para transporte emergencial de rações e animais vivos "Este selos serão  fixados nos caminhões que transportam animais vivos, carnes e insumos para as granjas. Deste modo os motoristas poderão se identificar para obter liberação na estrada e assim seguir viagem e passar pelos bloqueios. Orientamos aos suinocultores que procurem as autoridades presentes nestes bloqueios e que apresentem o selo e a liminar para que consigam passar e seguir aos seus destinos", revela o presidente da Acrismat, Raulino Teixeira.


A Acrismat na última semana entrou com ação ordinária para liberação do trânsito dos veículos que estejam trafegando pelas Rodovias Federais que cortam Mato Grosso, transportando farelo de soja, milho ou outros nutrientes com destino às granjas de propriedade dos suinocultores da associação. Na última quinta-feira (24) o juiz Federal da 1ª Vara de Mato Grosso, Ciro José de Andrade Arapiraca atendeu ao pedido e estipulou multa diária aos organizadores da paralisação dos caminhoneiros.


Raulino Teixeira informou que a associação é a favor da paralisação dos caminhoneiros, que atinge todo o país desde a última segunda (21), respeita as reivindicações, mas ressalta que a maneira que está sendo conduzida acaba prejudicando vários setores produtivos e a saúde dos animais.


"A paralisação nas rodovias já provoca sérios problemas de alimentação de aves e suínos confinados nas granjas, que estão abarrotadas de animais. Não há milho e farelo de soja para a produção da ração, e não  é possível o transporte do alimento até às propriedades. Entre as graves consequências da severa restrição alimentar estão o canibalismo, a falta de desenvolvimento dos animais e a mortalidade. A desnutrição dos animais alojados afeta diretamente o bem-estar animal e coloca em risco a saúde dos animais, já que sem nutrição a imunidade cai", afirma Raulino.


A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) que representa 20 mil suinocultores do país, divulgou por meio de nota seu posicionamento. Em um trecho da nota, a ABCS informa os prejuízos causados pela paralisação, "O impacto causado pela greve já atinge 20 milhões de suínos, que não estão recebendo alimentação suficiente. Há 167 plantas frigorificas de aves e suínos paradas e mais de 234 mil trabalhadores estão com atividades suspensas. A liberação das estradas se faz necessária para evitar maiores problemas com abastecimento, danos ao meio ambiente e à saúde pública e ainda que milhões de animais continuem morrendo, o que pode gerar o fechamento de granjas, agroindústrias e cooperativas".  


Números da Suinocultura


Mato Grosso é o 5º maior Estado produtor do país de carne suína, com um plantel de 2,5 milhões de matrizes e cerca de 2,8 milhões de abates por ano. A suinocultura gera aproximadamente 10 mil empregos diretos.


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo