Esporte

30/07/2018 16:25 GLOBO Esporte

Análise: Romero é o símbolo de um Corinthians em transformação

Romero remodelou-se quando o Corinthians precisou se remodelar. Em um momento tão difícil, com tantas perdas, com tantas dúvidas, ele bateu no peito, migrou para nova função e virou o dono do time. Os três gols na goleada de 4 a 1 sobre o Vasco, neste domingo, referendam a ideia de que Romero é o símbolo de um Corinthians em transformação.

São quatro jogos desde o retorno do Brasileirão, quando o Timão precisou lidar com nova realidade após a perda de quatro titulares (Balbuena, Sidcley, Maycon e Rodriguinho). O Corinthians marcou nove gols nestas partidas. E seis foram de Romero – justamente nas três vitórias alcançadas no período: 2 a 0 sobre o Botafogo (um gol), 2 a 0 no Cruzeiro (dois gols), 4 a 1 no Vasco (três gols).

Os jogos tiveram realidades diferentes para Romero:

  • Nos dois primeiros, vitória de 2 a 0 sobre o Botafogo e derrota de 3 a 1 para o São Paulo, o Corinthians jogou com centroavantes típicos (Roger no primeiro, Jonathas no segundo). Romero atuou aberto pelos lados, tentando agredir pelas pontas e auxiliando na marcação, como o torcedor se acostumou a vê-lo.
  • No terceiro, contra o Cruzeiro, Jonathas se machucou ainda no primeiro tempo. Pedrinho entrou em seu lugar, e o time deixou de ter um centroavante. Romero assumiu as obrigações de um camisa 9: fez dois gols, ambos depois da troca, e deu a vitória ao Timão.
  • No quarto, contra o Vasco, o time já começou o jogo sem centroavante. Romero, desde o começo, fez a função mais avançada, em um sistema que pendia mais para o 4-2-3-1 do que para o 4-2-4. E ele acabou com o jogo: três gols em Brasília.

Romero simboliza um time em transformação porque casa duas necessidades em momentos assim: dedicação e capacidade de adaptação. O Corinthians perdeu jogadores fundamentais. Sem eles, os que ficaram precisam se multiplicar. 

Sem ele, é improvável que o Corinthians conseguisse nove pontos em 12 disputados desde a volta do Brasileirão. Algumas dificuldades são evidentes, a despeito dos bons resultados. O time ainda tenta se reordenar, e a consequência é que permite espaços, controle e finalizações aos adversários.

Os primeiros minutos contra o Vasco foram preocupantes. Com 20 minutos de jogo, os cariocas haviam finalizado seis vezes, contra nenhuma do Corinthians – que só foi arriscar a gol pela primeira vez com 39 minutos e, logo depois, mandou uma bola na trave com Danilo Avelar.

 
 

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo