Mato Grosso

11/10/2017 15:53 G1

Projeto de revitalização do Portão do Inferno prevê 6 áreas de convivência e passarelas

Portão do Inferno, ponto turístico às margens da MT-251, entre Cuiabá e Chapada dos Guimarães, a 65 km da capital, deve passar por obras de revitalização. O projeto prevê a construção de passarelas e seis áreas de convivência para os turistas. A obra está orçada em R$ 1,5 milhão.

Como ainda está em fase inicial, ainda não há prazo para início das obras. A assessoria da prefeitura de Chapada dos Guimarães informou que o pedido de licença ambiental já foi feito e que, posteriormente, a obra será licitada, só então o início será autorizado.

No projeto, estão previstas 1.460,96 metros de área construída, incluindo 245 metros de lineares de passarelas, que ligarão um espaço de convívio ao outro. Um dos mirantes terá formado de arara e piso de vidro, onde os turistas poderão observar o precipício, conhecido como Portão do Inferno.

As áreas de convívio serão cobertas e terão bancos para os turistas. O local também contará com um estacionamento. Um dos espaços de convívio será elevado, fazendo com que ele possa ser visto por quem trafega na MT-251.

A arquiteta responsável pelo projeto, Roberta Alves de Campos, explicou que área de contemplação em forma de arara foi pensada por ser um animal típico de Chapada dos Guimarães.

“Foi solicitado que fosse feito um arco de vidro sobre a área, semelhante ao da China, mas pensei nos animais e na natureza do local. Em Chapada tem muitas araras. Pensei em criar algo que quando o turista olhar, ele já faça essa relação”, contou.

Obra ainda não tem previsão de início (Foto: Reprodução)

Obra ainda não tem previsão de início (Foto: Reprodução)

 

De acordo com o município, a construção do mirante em forma de arara não está confirmada, pois se trata de um trabalho extremamente complexo.

Durante a elaboração do projeto, visitas técnicas no local foram feitas pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema) para certificar que a obra não causaria impactos à natureza.

“As passarelas serão feitas com malhas fracionadas para que a construção interfira o mínimo possível na natureza. Em alguns pontos, existem rochas históricas e plantas típicas do local, placas de informação serão colocadas, para contar a história da natureza e de Chapada”, disse.

O projeto foi desenvolvido pela equipe da Central de Projetos da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e entregue à prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma de Oliveira (PSDB), no dia 20 de setembro.

Passarela e estações devem ficar em meio à mata (Foto: Reprodução)

Passarela e estações devem ficar em meio à mata (Foto: Reprodução)


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo