23 de Maio de 2019

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

Quinta-feira, 18 de Abril de 2019, 15h:20 - A | A

Polícia prende homem suspeito de matar travesti a facadas em bar

image

A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira (14), A.L.M., 41, conhecido como “Loro”, suspeito de matar com três golpes de faca a travesti Juliane, de 38 anos, em um bar na região central de Sapezal (480 quilômetros de Cuiabá), na última quinta-feira (11). O homicídio ganhou repercussão na cidade em razão de ter sido supostamente praticado por questões homofóbicas.

O crime ocorreu após uma discussão em um bar, o suspeito desferiu duas facadas contra a vítima. Na ocasião, a vítima saiu correndo para o interior do estabelecimento, mas foi alcançada pelo suspeito que concluiu a execução com mais uma facada. A vítima foi atingida no pescoço e em outras partes do corpo, não resistindo aos ferimentos e morrendo no local.

Logo após o crime, o suspeito foragiu. Com base nas investigações e nos indícios de autoria, o delegado Valmon Pereira da Silva representou pelo mandado de prisão contra o suspeito, que foi localizado, em uma casa no bairro Jardim Ipê, região Central da cidade.

Em interrogatório, o suspeito confessou o crime e disse que foi convidado para sentar-se à mesa da vítima e logo que sentou percebeu que Juliane era uma travesti pela voz. Na versão do investigado, em determinado momento, a vítima pegou o celular do suspeito dando início à discussão, que culminou no crime.

Conforme o delegado Valmon Pereira da Silva, o crime ganhou repercussão na cidade em razão de ter sido supostamente praticado por questões homofóbicas. “Ainda serão ouvidas outras testemunhas para confirmar se essa foi realmente a motivação”, disse.

O suspeito responderá por homicídio qualificado, tendo pena até 30 anos de reclusão. Ele será encaminhado para a cadeia pública de Campo Novo dos Parecis, onde permanecerá à disposição da justiça

Na delegacia, em consulta, os policiais encontraram uma informação de mandado de prisão contra Loro expedido pela Justiça do Maranhão. Nesse caso, ele é investigado por um estupro ocorrido em 2009, naquele estado. Ainda será confirmado na comarca de origem a validade dessa ordem judicial.

Imprimir

RÁDIO

Coletiva Santa Casa

Áudios da coletiva sobre a Santa Casa

image