Política

10/08/2017 09:30

Advogado de Carlos Bezerra afirma que juiz abusou de poder

 A aplicação de multa ao deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e sua mulher, ex-deputada Teté Bezerra, por suposta litigância de má fé não foi interpretada como absuo de poder, por sua defesa. “A decisão é fruto de abuso de poder!”, afirmou o advogado Elarmin Miranda, responsável pela defesa de Bezerra, ao avaliar a decisão do juiz Luiz Octávio Sabóia Ribeiro, da 3ª Vara Cível de Cuiabá.
 
O magistrado multou Bezerra e Teté, supostamente “por usarem de ‘má-fé’”, conforme o juiz, ao ingressarem com recurso sobre o pagamento de uma dívida.
 
“Vamos entrar com recurso de agravo de instrumento demonstrando que o juiz está errado”, argumentou o causídico. Para Elarmin, “causa repugnância” o juiz emitir juízo de valor.
 
“Ele tem que saber as provas do processo. Ele não tem o direito de emitir valor subjetivo ou o que ele possa entender sobre alguém. Isso não existe no mundo jurídico. Isso significa abuso de poder”, ponderou Miranda.
 
Elarmin esclarece que foi interposto o recurso de embargos de declaração do juiz que preside esse processo de Carlos Bezerra. Porém, os embargos de declaração, disse ele, são cabíveis quando tem contradição, obscuridade, que é para o juiz “clarear” o que ele vai decidir.
 
Conforme Elarmin, o juiz Luiz Octávio pegou o embargo de declaração e decidiu que não tinha nada para esclarecer, por entender que esse recurso era protelatório. E quando o recurso é protelatório, efetivamente se aplica essa multa de 2% do valor da causa.
 
Vias oblíquas
No entanto, Elarmin Miranda afirma que o recurso não é protelatório, “porque ninguém teve a intenção de protelar. Realmente é um recurso cabível e que ele não apreciou. Não apreciou, em vez de apreciar, como determina a lei. Preferiu sair com essa de protelatório.”, afirma Elarmin.
 
Para o advogado, o juiz tem que dar a resposta jurisdicional. “Se entrou com recurso de embargos, ele tem que sanar a omissão, a obscuridade, a contradição. Não é sair por vias oblíquas para dizer que ele entende que é protelatório.”, observa Elarmin.
 
“Vamos recorrer no Tribunal de Justiça. Primeiro, porque permanecem as contradições e as omissões; segundo, porque o juiz emitiu um juízo de valor. Ele não emitiu um juízo de realidade.”, disse Elarmin.
 
 O juízo de realidade, ressalta Elarmin, é com base nas provas dos autos. “É você formar com base nas provas dos autos. Juízo de valor é quando ele diz que é um entendimento subjetivo dele. Foi o que ele fez. O entendimento dele não tem amparo na prova dos autos, não tem amparo em nenhum documento que está nos autos.”, defende Elarmin. 

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo