Política

09/01/2018 11:45 Folha Max

Estado aumenta em R$ 8,5 milhões contrato com empreiteira alvo da PF

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística publicou no Diário Oficial nesta terça-feira um aumento num contrato com a construtora Tripolo. A empresa foi um dos alvos da "Operação Malebolge", deflagrada em setembro do ano passado após a delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que hoje cumpre prisão domiciliar após devolver cerca de R$ 73 milhões aos cofres públicos do Estado.

Segudo o termo aditivo, a obra de construção da MT-110 terá um aumento de R$ 8,5 milhões.  Foram retirados R$ 2,3 milhões e acrescentados R$ 10,8 milhões, totalizando um montante de total de R$ 56,7 milhões para a execução das obras de implantação e pavimentação da rodovia.

A empreiteira seria de propriedade do deputado estadual Ondanir Bortolini (PSD), o “Nininho”, segundo o ex-governador, em seu acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR). De acordo com o ex-governador, a empreiteira pagava propina por obras no programa MT Integrado.

A rodovia terá uma extensão de 41,42 quilômetros e ligará os municípios de General Carneiro, Guiratinga e Tesouro. O contrato com a Tripolo foi firmado durante a gestão de Silval Barbosa, pela extinta Secretaria de Estado de Transporte e Pavimentação Urbana.

O ex-governador trata na delação o parlamentar como proprietário da construtora. Nos documentos, a empresa consta no nome de familiares do deputado.

Segundo Silval, o beneficiário do esquema com a construtora era o senador Wellington Fagundes (PR). O republicano, segundo Silval, teria acordo para receber de diversas empreiteiras que executavam obras no Estado. “A pessoa responsável em acertar as propinas da construtora Tripoli com Welington era o deputado estadual Nininho, pois a construtora é de sua propriedade”, diz trecho da delação.

Nininho também é citado em outros eventos criminosos pelo ex-governador. Ele é acusado de pagar R$ 7 milhões em propina para a concessionária Morro da Mesa vencer a concessão para administrar a MT-130, com cobrança de pedágio.

Além disso, o parlamentar também é acusado de receber “mensalinho” para manter a governabilidade na Assembleia Legislativa. A Sinfra explicou que a obra já teve sete quilômetros pavimentados  e outros 21 quilômetros compactados no trecho entre Guiratinga e Tesouro. 

Segundo a assessoria do secretário Marcelo Duarte, o aumento de R$ 8,5 milhões foi devido adequações do projeto. 

Para garantir a continuidade da obra de pavimentação de 41 km da rodovia MT-110, entre Guiratinga e Tesouro, o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), informa que precisou fazer um aditivo para readequação no projeto. "Esta rodovia deve ser asfaltada no próximo ano e é aguardada há anos pela população", argumentou.

 


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo