Variedades

02/07/2018 14:25 Olhar Conceito

Casal de Cuiabá investe em delivery de queijos artesanais trufados, recheados e maturados

Muito se fala sobre o complexo de vira-lata do brasileiro. Sobre a mania de olhar só pra fora, valorizar produtos importados e se esquecer das maravilhas locais. A paulista Andrea Ferreira Sanches fez diferente. Há cerca de seis meses, mudando totalmente seu ramo de trabalho, começou a vender queijos, e se encantou pela variedade e pela riqueza do mercado artesanal do Brasil.

Ela e o marido, Airton Sanches, são do interior de São Paulo, mas vieram para Cuiabá há vinte anos, quando ele foi transferido na empresa em que trabalhava. Publicitária, Andrea ficou alguns anos em veículos de comunicação, até que mudou de ramo. O casal passou a vender semijoias no atacado e varejo. “No final do ano [passado] a gente encerrou as atividades com a empresa que a gente tinha. Eu já estava muito cansada, o mercado já não estava legal, tinha uma série de questões. O mercado de luxo deixou de ser bom nessa crise. E começou a entrar muito produto da China, e a concorrência ficou difícil”.


Foi neste contexto que surgiu a ideia de entrar no ramo da alimentação. Queijólatra assumida, ela conheceu uma queijaria familiar no interior de São Paulo, e trouxe alguns produtos para sua família. “Porque eu adoro, eu queria um de cada sabor, então eu trouxe. Aí os amigos foram chegando... e falando, ‘ah não, me vende esse... por favor, me vende esse...’. E eu vi que o negócio tinha demanda. Voltei e fiquei mais um tempo lá, pra aprender um pouco mais. Foi quando a gente já deu entrada na documentação da empresa”.


Andrea fez outros cursos n’‘A Queijaria’, na Vila Madalena, e aprendeu tudo sobre queijo. “O que é queijo de leite cru, o que é um queijo artesanal, de onde ele vem, os cuidados que você tem que ter, queijo de ovelha, queijo de cabra, conservação... e lá, eu vi que o mercado de São Paulo já está muito organizado. Tem feiras só de queijos, feira de rua. É uma loucura! Você encontra uma preciosidade de um cara que vem lá de Cabreúva, e fez um queijo que ficou maturando seis meses. O cara passou dois anos na Holanda pra aprender essa técnica”. Todas essas ‘maravilhas’, Andrea fez questão de trazer para Cuiabá, junto com os queijos recheados que já tinha conhecido.

Queijo maturado (Foto: Divino Queijo)
Divino Queijo

 

A ‘Divino queijo’ é uma queijaria delivery, que tem um cardápio fixo e um rotativo. O fixo é formado pelos queijos recheados, com doces e salgados. Segundo Andrea, o carro-chefe é a muçarela artesanal com goiabada (R$49, 500g), mas a novidade é a muçarela artesanal com nutella (R$66). Também estão disponíveis as recheadas com salame, pimenta dedo de moça, bacon, carne seca e outros. Outras linhas fixas são as de provolone (com azeitona, salame, alho e outros), e as de aperitivos, como palitinhos e nózinhos. Estes últimos custam a partir de R$35.


O cardápio rotativo é formado por queijos de maturação lenta, que são mais caros (de R$200 a R$300 o quilo). “Agora, por exemplo, está chegando uma leva bem grande de uma fazenda, que chama fazenda Atalaia, e é o famoso queijo tulha. (...) Eu tenho sempre vários de maturação, maturados, mas não são sempre os mesmos. Às vezes eu tenho de uma determinada fazenda, depois de outra fazenda”, explica.
Todos os produtos são vendidos por delivery e em feiras em condomínios fechados. A taxa de entr

ega varia entre R$5 e R$10. O atendimento, pelo WhatsApp, é das 8h às 18h, e as entregas até as 14h.


“A gente começou com os amigos, e hoje a gente tem uma clientela fixa que foi nos descobrindo pela internet mesmo. E o que garantiu pra gente essa clientela foi a qualidade do queijo. Ele é muito saboroso. E é novidade. Quem imaginou o queijo com nutella? Eu nunca tinha visto. Tem queijo com damasco, damasco com nozes. Mas não é um queijo qualquer... é uma muçarela gostosa que dá pra comer de sobremesa”, finaliza Andrea.

 

 


Legislação
Apesar de ter entrado no ramo há pouco tempo, Andrea já teve que enfrentar algumas barreiras legais para comercializar seu produto. No último dia 14 de junho, no entanto, uma batalha história foi vencida pelos produtores e comerciantes de produtos artesanais. Nesta data, foi sancionada uma lei, que altera a antiga Lei nº 1283, de 1950, que proibia a venda de produtos artesanais fora de seus estados de origem.


Agora, estes produtos podem ser vendidos, desde que se identifiquem nacionalmente com o ‘Selo Arte’. Desde a assinatura da lei, os produtores que fornecem à Andrea já começaram o processo de adequação à nova regra.


A mudança da lei aconteceu após grande pressão de produtores e cozinheiros, e foi impulsionada após o Rock in Rio de 2017, quando a cozinheira Roberta Sudbrack teve seu estande interditado. Na época, a vigilância sanitária jogou fora 80kg de queijos e 80kg de linguiça fresca. Seu prejuízo foi de quase R$400 mil.
Serviço
Divino Queijo
Disk entrega: (65) 99284-7036 / (65) 99698-1727
Venda online AQUI
INSTAGRAM


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo